Galeria

A transformação digital

A transformação digital tem recebido a melhor (e maior) das minhas atenções no último ano, ao ponto de a colocar no centro do meu projecto de doutoramento (mas isso é uma conversa para depois, beeem depois).

Em Outubro tive o imenso orgulho de moderar um debate da Quidgest, a propósito do Q-day, sob o tema “O ano da Transformação Digital“. No painel  “O elemento humano e a educação na Transformação Digital” participaram Miguel Carvalho e Melo, vice-presidente da Associação Portuguesa de Gestão de Projectos (Apogep); Jorge Carvalho, docente do Instituto de Educação Técnica (Inete); Octávio Oliveira, diretor-geral do Centro de Formação Profissional da Indústria Electrónica, Energia, Telecomunicações e Tecnologias da Informação (Cinel), e ex-secretário de Estado do Emprego; Hugo Lourenço, diretor-geral da Agile 21; e Hugo Miguel Ribeiro, coordenador da área de recursos humanos da Quidgest.

Um momento de reflexão muito interessante sobre o futuro e do que já está a acontecer. Depois surgiu oportunidade de falar sobre isso para a revista Quidnews e aqui está o resultado. Acredito profundamente que as pessoas estão no centro de todos os processos e no futuro isso não será uma excepção.

Para ler melhor e toda a publicação passem por aqui https://www.quidgest.pt/q_QuidNews.asp?LT=PTG.

Vale muito a pena.

 

Imagem

Exagerar é bom!

Com as intolerâncias alimentares deixei de comer imensas coisas mas outras tentei substituir. Uma coisa que adoro e, Graças a Deus, não sou intolerante é côco (cruzes!). No outro dia tive uma vontade terrível daqueles bolinhos pequeninos mas… tem ovos. Não dá. Então inventei e fiz uma coisa a que chamei ‘Exagero de Côco’ porque é mesmo assim, um absurdo. Se não gostam assim tanto… é melhor fazer aqui também uma substituição!!!

A receita:

180 grs de tâmaras, pode ser pasta de tâmara (com tâmaras medjol fica melhor)

3 colheres de sopa de côco ralado

1 colher de sobremesa de óleo de côco

1 scoop (medida) de proteína de baunilha

Triturem tudo durante uns minutos ou até obterem uma pasta que dê para fazer bolinhas. Depois, passem as bolinhas por côco ralado (eu avisei que era um exagero) e guardem num frasco. Dá para cerca de 15 bolinhas que podem ser consumidas como sobremesa ou snack e já foram aprovadas pela minha nutricionista, a Dra. Ana Rita Lopes. Podem guardá-las no frigorífico. Aposto que não duram muito tempo!!