Imagem

Imagens que falam #1

Esta é, para mim, a imagem de Janeiro, esse mês que teve 365 dias e teimava em não acabar.

Esta imagem de um buraco onde caiu uma criança de 2 anos e que nos levou à incredulidade. O Mundo ficou em suspenso até perceber o que acontecera a este menino. A pergunta “como foi possível?” veio acompanha do desespero daqueles pais que apenas conseguiram dizer “… outra vez não…”.

O Mundo é um ligar estranho. E pode ser de um sofrimento inexplicavelmente atroz.

Imagem

A Rosa, a maior!

Acordámos todos com esta notícia maravilhosa: a Rosa Mota, nossa campeã Olímpica em 1988 ganhou uma maratona em Macau. Que maraviha, que inspiração, que força! E porquê? Por que a Rosa Mota tem 60 anos mas tem tanta energia que comove e embaraça. Aposto que esta medalha sabe bem.

Lembro bem deste vídeo promocional que gravámos por altura da Semana Europeia do Desporto. Esta acção foi gravada, digo-vos agora, em tempo recorde. No total, demorámos 1 hora a fazer tudo: a gravar vários takes da mesma fala, vários momentos a correr, a caminhar, a saltar à corda. Pelo meio, muita gente a passar, a falar à Rosa e ela a responder, a incentivar, sem perder o foco. Podia não achar muita piada a estar a ser conduzida por uma miúda que não conhecia de lado nenhum. Não. Nunca questionou, até deu ideias. Mal sabia que tinha ali uma profunda admiradora. Às vezes, esta vida proporciona-nos a possibilidade de estar com quem muito admiramos.

“Acordei, não tinha agenda e resolvi ir correr!”. É isto. Simples.

Parabéns, querida Rosa Mota! E obrigada, que exemplo!

Imagem

O Mikas!

Conheci o Miguel há vários anos, quando veio trabalhar para a TVI. Começou no departamento de Relações Públicas e foi sempre em estúdio que nos cruzamos, no momento em que acompanhava os convidados. Já na altura ele era atencioso, falava com cada um e dava dicas para se acalmar e agir. Faziam toda a diferença, posso garantir. Foi com essas acções que ganhou a admiração de todos.

Quando soubemos do trabalho que realizava no IPO… bateu todos os recordes. O projecto MIKAS é uma coisa do outro mundo. O Miguel começou por fazer voluntariado, por animar as crianças que estavam internadas e passavam dias inteiros presas a uma cama de hospital. A minha vénia, eu própria pensei fazê-lo e não fui corajosa o suficiente. Sim, para nos darmos aos outros é preciso coragem: é preciso ter o coração livre para dar tudo e para receber ainda mais.

Esse projecto cresceu e o Miguel, ou melhor, o MIKAS, gravou um CD e um videoclip e nós fomos todos, unidos, ajudar, fazer a nossa parte, dizer que estamos com ele, que faz tudo sentido, que está no caminho certo. Mas, principalmente, que ele percebeu bem o propósito desta vida: fazer as outras pessoas felizes e sermos felizes, ao mesmo tempo. Não tenho a mínima dúvida que vai ser um imenso sucesso. Várias pessoas estiveram a gravar ao longo do dia, sempre com meninos do IPO mas partilho convosco os momentos em que a minha querida Fátima Lopes participou, o Eduardo Madeira (com um nariz maravilhoso!) e em que o Diamantino Martins esteve comigo. Não posso revelar tudo, ou perde a piada.

‘MIKAS tem como missão incutir a crianças e jovens valores, hábitos saudáveis e despertar o lado social que há em cada um de nós. A dançar, a cantar e com acções sociais bem presentes desde os seus 14 anos, edita agora um álbum inteiramente dedicado para os mais pequenos para desfrutarem sempre na companhia de toda a família e amigos. Neste CD/DVD, cujo nome é “O Mundo é Teu”, MIKAS conta também com a participação de convidados especiais e ainda filhos de personalidades internacionais. Com composição, arranjos, direção musical e orquestração de Artur Guimarães, gravação, mistura e masterização de Rodolfo Cardoso, letras de Mafalda Santos, coros de Helena Neto e Artur Guimarães, vozes infantis do grupo Teatro La Meason com participação especial de João Sá Coelho e tema extra escrito pela artista Xana Abreu (Xana Toc Toc). As canções são em português, vivendo em pleno a magia de cada música, bem como procurando, através do entretenimento, unir a sociedade em torno desta causa e fornecer ferramentas que tornem as crianças mais saudáveis e divertidas’.

Valeu tanto. Valeu tudo só para ver um sorriso. O deles.

O nosso? O nosso é do MIKAS e destes meninos que nunca deixaram de sonhar. Caramba… que acção maravilhosa!

Podem seguir o MIKAS aqui.

 

Imagem

A importância dos avós

Há umas semanas o Nelson desafiou-me para lhe falar dos meus avós. Não foi preciso nada para lhe dizer ‘sim’! Foram, são importantes e nunca deixaram de o ser, para mim.

Mas não foi fácil… Obrigou-me a viajar pelo passado… pelo cheiro ao chá de lúcia-lima da minha avó, pelas lágrimas de felicidade do meu avô… pelo amor e pela memória que nunca vão desaparecer. Aconteça o que acontecer.

Podem ler, ver, ouvir tudo aqui.

Já agora, aproveitem para espreitar todo o site, um verdadeiro hino aos afectos.

 

Imagem

Olhar para o lado

O mal não é olhar para o lado. O mal é olhar para o lado e não ver o que a vida oferece.

É fazer vista grossa a qualquer coisa que é tão óbvia.

Às vezes, olhar para o lado é apenas Deus a obrigar-nos a ‘usar óculos’, a fazer ver aquilo que já tínhamos sentido, que as campainhas interiores já tinham detectado mas que nós, sabiamente, desligámos.

Que assim seja.

 

Imagem

Mexa-se, pela sua saúde! #8

Terminou a Semana Europeia do Desporto. Uma semana cheia de actividades que começou com uma maratona de bicicletas em Belém e terminou com actividades em Quarteira, no Algarve. Durante estes dias, dezenas de países, milhões de pessoas em todo o continente uniram-se em prol do desporto mas com uma mensagem ainda mais ambiciosa: o desporto é para todos!

 

É para os que correm maratonas, para os que praticam judo, para os que vão ao ginásio, para os que caminham, para os que preferem ioga ou pilates, escalada, badminton, canoagem, vela, ciclismo, futebol. É para todos! E é urgente que assim também o seja: Portugal é um país cada vez mais sedentário, 60 % da população é obesa- é mais de metade!!!!- e cada vez mais jovens sofrem desta doença. A obesidade é o principal factor desencadeador de um série de problemas: diabetes, hipertensão arterial.

A obesidade comportamental, que se resume na nossa incapacidade de acção, sedentarismo ou preguiça, se quiserem que seja mais directa, faz mal à nossa saúde. Sim, eu também sofro de preguiça, também há dias em que não me apetece nada mexer, há dias em que só vejo sofá e há dias em que não faço, mesmo. Arrependo-me sempre. A minha saúde piora, a minha condição agrava-se, desempenho muito pior o meu trabalho e, por fim, o sono não é relaxado. Está tudo relacionado, não haja ilusões.

Para viver bem é preciso fazer por isso. Não é uma questão de metabolismo, nem apenas de ‘não ser preciso’. A principal razão que me levou a participar, pela segunda vez, nesta iniciativa é essa consciência, é essa certeza de que a mensagem é verdadeira! Felizmente, somos vários a pensar o mesmo mas queremos ser muitos mais!

Mexam-se, pela vossa saúde. #BEACTIVE

Partilho algumas fotografias da Semana e também os bastidores da gravação dos vídeos que gravámos.

 

 

Imagem

Mexa-se, pela sua saúde! #5

Estão a ver aquelas pessoas que surgem na nossa vida por acaso e que se tornam profundamente importantes, ao ponto de serem insubstituíveis? Apresento-vos o Humberto Simões. Para falar dele tenho de respirar fundo para não ser tendenciosa. Até porque o que nos traz aqui é o desporto e isso, só por si, vale a pena saber. 

Das primeiras coisas que aprendi, pelo Humberto, foi este amor ao futebol. Perdão, ao Eléctrico! Quando se fala em fins de semana ele lá diz que tem jogo, que vai encontrar os amigos e que não troca isso por nada no Mundo. Sim, o desporto é isso: espírito de equipa, amizade, entreajuda, valores que hoje se tratam por soft skills mas que parecem esquecidos pela maioria das pessoas. E eu fico feliz por que ele é assim. Por que, ao fim destes anos, continua a ir lá, a querer jogar, a estar com os amigos, a dedicar esse tempo ao que também é importante e nos faz pessoas, todos os dias.    

Das últimas vezes que falamos do Eléctrico, o Humberto estava aborrecido: tinha dado um jeito qualquer nos joelho e estava em dúvida para os jogos do fim de semana. Mas… “É um jogo grande, tu já viste? Eu não posso falhar!”. Eu lá dei uma de conselheira e expliquei-lhe que a prudência é tão boa companheira. Esqueçam. 

Querer é poder. Seja a 3 quilómetros. A 30. Ou a 300. Aqui está a prova. Leiam tudo, assim, sem respirar! 

 

 

O meu amor Eléctrico!

Lembro-me de ir ver os jogos do Eléctrico Futebol Clube desde sempre.

De 15 em 15 dias, aos domingos à tarde, lá ia eu, da pequena aldeia de Tramaga até ao campo do clube mais representativo do concelho de Ponte de Sôr. A maior memória que guardo da infância, é a do dia em que o Eléctrico recebeu o Sporting. O sorteio da Taça de Portugal ditou que os leões fossem ao Alentejo e foi um dia de festa. Lembro-me de mal ter dormido, de acordar cedo para me despachar e de chegar ao campo de terra batida. Lembro-me da surpresa por perceber que não havia lugares à volta do terreno de jogo e ver, pela primeira vez, bandeiras por todo o lado. Lembro-me de estarmos a ganhar 1-0 e, já bem perto do final, o Sporting passar para a frente (1-2). Mas também me lembro de ficar com aquela sensação de que os nossos jogadores foram uns heróis. E foram. Eu tinha pouco mais de seis anos mas lembro-me. Aos 10 anos, fui convidado para ingressar no Eléctrico. Quando pedi ao meu pai, só meteu uma condição. “Eles têm de te vir buscar e levar”. Da Tramaga – curiosamente, nunca joguei oficialmente pelo clube da minha aldeia -, ao campo de jogos eram uns três ou quatros quilómetros. Aceitaram a proposta do meu pai. E estreei-me com o emblema do barquinho ao peito. Dois anos antes de ter idade para jogar na equipa principal, acabaram com o meu escalão e tive de procurar outro clube. Correu tão bem que jogava pelos juniores ao sábado e pelos seniores ao domingo. Correu tão bem que no ano a seguir fui contratado por outro clube. Correu tão bem – sim, não é repetição, foi mesmo noutro ano -, que o Eléctrico voltou a chamar-me. Já com idade para jogar nos “crescidos”, aí estava eu na equipa principal. Com o meu primeiro ordenado. Não era milionário, mas dava para as despesas de um jovem de 19 anos. Aí estive cinco anos, até começar a trabalhar em Lisboa como jornalista. Até ser operado ao joelho pela primeira vez. Sim, coleciono duas operações ao joelho, dois sobrolhos abertos, dois dentes partidos – sim, tudo aos pares e nunca ao mesmo tempo -, mas ganhei muito mais do que perdi. Ganhei mais jogos. Ganhei mais amigos. Ganhei mais armas como homem. Foram 25 anos como jogador federado, em sete clubes, de três distritos. Acabou aos 35. Bom, na verdade, não foi o fim. Eu sei que agora a exigência não é a mesma, mas aos fins-de-semana lá vou eu, do Montijo a Ponte de Sôr. Imaginem que agora até temos dois campos, um relvado e um sintético. Imaginem que agora até temos dois fatos para ir para os jogos, um de inverno e um de verão.

Imagem que agora, mesmo nos veteranos, jogo no clube do meu coração.

Sim, o meu amor é o Eléctrico!

Imagem

Mexa-se, pela sua saúde! #4

Este é o André Venda. Não sei apresentá-lo de outra forma que não uma força da natureza, vão perceber quando lerem a história. Não nos conhecemos pessoalmente, partilhamos a paixão pelo desporto e a resiliência. O André é o exemplo de que tudo é possível, de quem nunca desistiu. Tinha tudo e perdeu muito mas lutou sempre. Esta modalidade é uma espécie de catarse na sua vida, acho que não estou enganada! 

Merece a minha vénia e o meu reconhecimento. Não perdeu o foco, não perdeu a alegria, não perdeu a vontade de viver. E podia ter perdido. Conto pelos dedos das mãos as pessoas que reagem desta forma, às chatices da vida. 

Grande André. Agora, leiam e acompanhem-no aqui

 

O meu nome é André Venda e tenho 30 anos.

Sempre me considerei uma pessoa proactiva e cheia de energia para gastar e, por isso, desde cedo procurei ingressar diversas modalidades desportivas: experimentei basquetebol, voleibol, ténis, ténis de mesa mas foi no Downhill que descobri a minha vocação.

Um acidente de viação aos 20 anos tornou-me paraplégico: este percalço fez com que deixasse de conseguir praticar Downhill, a modalidade onde já competia em provas nacionais.

Parar não era opção para mim: procurei arranjar outras alternativas desportivas e descobri o Handcycling. Todo o empenho e treino fizeram com que rapidamente chegasse ao pódio, quer a nível nacional quer internacional.

Foi em 2010 que comecei a competir em Handcycling: arrecadei 6 primeiros lugares a nível Nacional (no Campeonato Nacional de Contrarrelógio, nos Campeonatos Nacionais de Pista, na Taça de Portugal de Albergaria, no Campeonato Nacional de Paraciclismo de Torres Vedras, no Grande prémio de Gondomar e no Grande prémio de Viana do Castelo) e o 20º lugar na UCI World Cup Para-Cycling Road na Segóvia (Espanha);

Em 2011, voltei a trazer para casa o primeiro lugar no Campeonato Nacional de Contrarrelógio, no Grande Prémio de Gondomar e no Grande Prémio de Viana do Castelo e competi pela segunda vez ma UCI World Cup Para-Cycling Road na Segóvia (Espanha), tendo subido para a 17ª posição.

Voltei a conquistar o primeiro lugar no Campeonato Nacional de Contrarrelógio em 2012, bem como nos Campeonatos Nacionais de Pista, na Taça de Portugal Albergaria, no Campeonato Nacional de Paraciclismo de Torres Vedras e no Grande Prémio de Viana do Castelo. A minha prestação na cidade espanhola, manteve-se igual à do ano anterior: 17º lugar.

O ano de 2013 ficou marcado pelo meu desejo de progredir mais nos campeonatos internacionais: mantive o primeiro lugar em vários campeonatos Portugueses (Campeonato Nacional de Contrarrelógio, Campeonatos Nacionais de Pista, Taça de Portuga de Albergaria, Campeonato Nacional de Paraciclismo de Torres Vedras, Grande Prémio de Gondomar e Grande Prémio de Viana do Castelo), mas foi no estrangeiro que progredi bastante: conquistei o 6º lugar no I Gran Premio Handbike Ciudad Real, o 7º lugar na UCICUP 2013, o 5º lugar na II Certame Handbike Benicarló 2013, o 17º lugar na UCI World Cup Paracycling Road (Itália), o 15º lugar na UCI World Cup Paracycling Road (Segóvia, Espanha), o 3º lugar no Criterium Internacional Ciudad Sounds Real, o 5º lugar no Trofeo de Ciclismo Adaptado, o 5º lugar no IX Criterium Internacional, o 4º lugar no Handbike (Los Alcázares, Espanha) e o 4º lugar em Puerto Lumbreras 2013 (Espanha).

Ainda no início do ano de 2013, juntamente com um amigo fundei a APCA – Associação Portuguesa de Ciclismo Adaptado – que visa dar a conhecer e angariar mais adeptos do Ciclismo Adaptado, promovendo eventos desportivos, efetivando palestras para novos atletas e/ou todos os interessados, assim como foi criado um departamento que tem como principal objetivo estimular os atletas de alta competição para a participação em provas internacionais e de renome.

Em 2014 voltei a competir nos mesmos campeonatos portugueses em que participei no ano anterior conquistando o primeiro lugar em todos eles. Além-fronteiras posicionei-me no 12º lugar na European Handcycling Federation UCI (Castelldefels, Barcelona), o 5º lugar no Biskako Bira 2014, o 6º lugar no Crono Biskaiko Bira 2014, o 22º lugar na UCI World Cup Paracycling Road (Itália) e o 24º lugar na UCI World Cup Paracycling Road de Segóvia (Espanha).

Em 2015 venci o primeiro lugar no Campeonato Nacional de Viana do Castelo, na Taça de Portugal de Albergaria, no Campeonato de Contrarrelógio de Setúbal, o Grande Prémio de Torres Novas e o Grande Prémio de Gondomar.

Em campeonatos internacionais, fiquei em 14º lugar na UCI World Cup Paracycling Road, em 13º lugar na Verola Paracycling Cup (Itália), 11º lugar na Paracycling Cup Brescia (Itália), 4º lugar no Biskako Bira e o 5º lugar no Crono Biskaiko Bira.

Como resultado do enorme esforço e dedicação ao desporto profissional no decorrer destes anos, sofri um considerável desgaste físico e como tal, fui aconselhado em 2016, por uma equipa médica, a dar por terminada a prática desportiva nos moldes definidos pela Alta Competição. Apesar de adorar praticar Handcycling, descobri recentemente a possibilidade de voltar a praticar o Downhill, desporto este que já praticava antes do meu acidente, mas desta vez adaptado à minha atual condição física. Foi com esta nova realidade que surgiu o meu interesse em desenvolver esta modalidade adaptada que desperta no nosso país. Neste âmbito encontro-me a desenvolver um projeto desportivo de Downhill Adaptado pioneiro em Portugal.

O que o desporto significa para mim?

Posso dizer que quando estou a praticar desporto sinto-me verdadeiramente livre e feliz, é algo que me faz bem tanto física como psicologicamente, pois nesses momentos sinto-me desconectado da cadeira de rodas…como se não precisasse dela realmente a tempo inteiro.

Desafio vos a passar um dia comigo para perceber melhor o que sinto 😊