Imagem

Alimentação, pela Dra. Ana Rita Lopes

– Quais os desafios para os nutricionistas ao lidar com a doença oncológica em ambiente hospitalar?
Os desafios dos profissionais de nutrição passam por prevenir ou minimizar o declínio do estado nutricional imposto pela doença, bem como desmistificar os ideais criados pelos doentes em relação à alimentação, através de acompanhamento nutricional individualizado. Relativamente ao estado nutricional, é muito frequente a presença de desnutrição em doentes oncológicos. Cerca de 40% a 80% dos destes doentes estão desnutridos, aproximadamente 70% apresentam dificuldades para se alimentar, mais de metade necessita de aconselhamento nutricional para controlar os sintomas que interferem com a ingestao alimentar e 30% necessitam de suplementos nutricionais. Deste modo, é importante o acompanhamento de um profissional de nutrição de modo a otimizar o estado nutricioinal do doente oncológico e contribuir para o bom prognóstico da doença.

– E como se processa o trabalho em equipa? É efetivamente multidisciplinar?
O trabalho em equipa contribui, acima de tudo, para uma melhor assistência ao doente. Com excesso de informação com que nos deparamos atualmente, a seleção de informação credível torna-se bastante difícil para o doente. É através de uma equipa multidisciplinar que este tem acesso a uma comunicação fundamentada cientificamente, clara e objetiva, com linguagem acessível, contextualizada e sem sensacionalismos. A intervenção nutricional deve ser integrada numa equipa multidisciplinar, de modo a que todas as particularidades, necessidades e implicações dos tratamentos possam ser conhecidas
por todos os profissionais de saúde.

– Há procedimentos ou guidelines definidos neste âmbito?
O acompanhamento nutricional do doente oncológico deve ser individualizado e personalizado de acordo com a sua situação específica: o tipo de cancro, o estadio, as comorbilidades associadas e o tipo de tratamentos são critérios fundamentais a considerar quando se estabelecem as necessidades nutricionais de cada doente, bem como o seu plano nutricional. Para além de todas as particularidades referidas, é importante ter em conta uma série de outros fatores: alterações do apetite, sintomatologia gastrointestinal, alergias ou intolerâncias alimentares, parâmetros analíticos, dificuldade de mastigação e/ou deglutição, hábitos e preferências alimentares do doente, compreender o seu contexto familiar e a autonomia, mobilidade e disponibilidade do doente para realizar as refeições. As necessidades nutricionais do doente oncológico variam consoante a localização localização do tumor, da atividade da doença, da presença de má absorção intestinal e da necessidade de ganho de peso ou anabolismo. Este cálculo pode ser feito a partir da Equação de Harris Benedict, tendo em conta o metabolismo basal do doente, o fator de atividade, fator térmico e fator de stress, que no caso de neoplasia varia entre 1,1 e 1,45 ou seguindo as guidelines definidas pelo Consenso Nacional de Nutrição Oncológica – 2016 (Brasil) ou pela Sociedade Europeia de Nutrição Entérica Parentérica (ESPEN 2016), que também têm em conta a idade, tipo de tratamento e estado nutricional do doente.

– Quais as diferentes fases por que passam estes doentes a nível nutricional, e as necessidades em cada uma delas?
No decorrer dos tratamentos oncológicos, é muito frequente a ocorrência de alterações que podem, de algum modo, comprometer a ingestão alimentar e a manutenção de um bom estado nutricional. Alterações a nível do paladar e olfacto, náuseas, vómitos e diminuição do apetite, disfagia, xerostomia e alterações a nível intestinal como diarreia e obstipação são condições frequentes no doente oncológico. Como parte integrante da abordagem no cancro, a nutrição tem um papel fundamental no alívio destes sintomas, bem como na prevenção das consequências advindas.

– O que está bem e o que poderia ser melhorado nos hospitais para receber estes doentes?
Penso que existe cada vez mais uma multidisciplinariedade onde o papel da nutrição e do nutricionista tem sido cada vez mais valorizada e enfatizada. Contudo, este ainda não é o panorama ideal. Faltam Nutricionistas nos vários locais e contextos que atuam na promoção da saúde, prevenção e tratamento da doença. Penso ainda que, seria importante o encaminhamento direto a consulta de nutrição após diagnóstico e estabelecimento do tipo de tratamento, de modo a realizar uma identificação de risco nutricional precoce e assim evitar uma deteriorização do estado nutricional no futuro.

Imagem

34 a acabar em… 2

A morte não avisa. Quase nunca avisa. Por que haveria de avisar alguém com 43 anos? De sorriso fácil, de tão bem com a vida? Alguém que fazia o que amava, que transpirava paixão pela tecnologia, que ajudou tanto o país, as empresas, nestes últimos anos? Pai, marido?

Falámos na semana passada, por mensagem. O João Vasconcelos partilhou comigo uma publicação sobre trotinetes. Era outra das novas apostas. Se hoje tenho uma paixão cada vez maior por tecnologia é, também, por sua culpa. Partilhávamos horas de conversa sobre o admirável mundo novo pelo qual ele tanto lutava e que tanto me fascinava, também. Admiravamo-nos (mais eu, ele não tinha razões para isso) e nunca deixou de me ajudar sempre que tive alguma dúvida, alguma questão, sempre que o procurava. Lembro bem as suas palavras quando lancei este blog.

A última vez que o entrevistei foi sobre softskills e líderes do futuro, para um trabalho que a TVI ainda não transmitiu, que já não vai ver. Uma conversa de 15 minutos durou 2 horas, para variar. Foi dessa vez que também lhe contei sobre a minha tese de doutoramento. Ele não conhecia o tema mas, no fim, só me disse : “Tens de escrever isso, pah! Tens de escrever isso”.

Hoje já o recordámos muitas vezes, os 3 restantes nesta fotografia, grandes amigos que nos apresentaram. Este foi o dia em que nos conhecemos. Já nos rimos com as coisas boas ou os disparates, como daquela vez na WEB SUMMIT em que me apanhou a dividir copos de café para reciclar ou em que desanuviámos o assunto ‘bilhetes para jogos de futebol’.

O João já era um amigo. Muito do que aprendi sobre futuro, economia, indústria, transformação digital, tecnologia, 4º Revolução Industrial, aprendi com ele. Era generoso a partilhar, a ensinar, um incentivador e também o foi para mim, tantas vezes. Queria mais.

A mensagem de ano novo dizia que ‘iríamos estar mais vezes juntos, em 2019’. Não estivemos.

Ainda ninguém acredita muito nisto, João.

 

Imagem

A verdade. De verdade.

“Querida Patrícia, permita que a trate assim, vejo-a todos os dias… já é praticamente da família”. “Cara Patrícia, como é que consegue acordar tão cedo e estar sempre com um sorriso, para nos acordar a nós, cá deste lado? Obrigada!”. “Olá, Patrícia. Parabéns, pelo seu talento. Se me aceitar como amiga no Facebook, fico muito grata”. “Boa tarde, Dra. Patrícia. Como está? Bons olhos a vejam, andou fugida dos nossos ecrãs”. “Olá, está com gripe? Chá de gengibre e limão. Faz milagres”. “Olá, Patrícia, espero que esteja melhor na sua luta contra a bactéria. Faz-nos muita falta de manhã mas queremos que volte boa! Força”.

Todos os dias recebo mensagens como estas. Sim, são reais. Sim, são escritas por pessoas.

De manhã sou, tantas vezes, a única companhia que milhares de espectadores têm. Tenho essa consciência. Nos sítios mais recônditos, onde às vezes só chega mesmo a luz do sol, e a quem nunca ouve outra voz durante o dia, além da minha.

Somos a família, aquela cara de que se gosta tanto, aquela pessoa que está ali, todos os dias, àquela hora. É por isso que um sorriso me custa pouco.

Sei que, do outro lado, alguém está a sorrir de volta para mim. Pode ser em Viseu, em Portalegre, em Lagos, Leiria ou Lisboa, África do Sul, França, Canadá.

Um sorriso é o que temos de mais especial e é o que custa menos a oferecer a alguém. E se há altura do dia em que escasseia… é de manhã! Para quê poupar? Confesso… quando cheguei a este horário eu não sabia isto. Acordava tantas vezes mal-humorada. Percebi que não fazia sentido. Se estávamos vivos e nos tínhamos uns aos outros para quê reclamar?

E confesso outra coisa: é muito bom sentir o carinho do público. Afinal… para quem trabalhamos nós? É bom saber que alguém está a ver, nem que seja porque acha mal qualquer notícia, comentador ou outra coisa que dissemos ou fizemos (sim, também recebo mensagens menos bonitas!). São 3h30 em direto, todos os dias. A perfeição não existe, mas o esforço sim, a dedicação, a entrega.

Perguntam, com frequência, o que mais gosto que digam de mim e do meu trabalho: gosto que digam que percebem tudo o que eu digo, que me entendem. É esse o meu objectivo, ser eficaz, fazer a diferença, chegar ao outro lado, a quem me vê. Comunicar é isso, é ter consciência que se é o veículo da mensagem e que podemos ir de bicicleta, de moto… mas eu gosto de altas velocidades!

Eu sou feliz a trabalhar, acho que isso se nota, mas se não houver um propósito, um sentido, um objectivo… não tem lógica. O retorno, o feedback do público é o que faz a diferença.

Qual é o segredo? Ter a certeza de que se está no sítio certo. À hora certa. 6h30, bom dia! Seja bem-vindo ao “Diário da Manhã”.

O meu artigo de opinião para lerem aqui.

Imagem

Mexa-se, pela sua saúde! #4

Este é o André Venda. Não sei apresentá-lo de outra forma que não uma força da natureza, vão perceber quando lerem a história. Não nos conhecemos pessoalmente, partilhamos a paixão pelo desporto e a resiliência. O André é o exemplo de que tudo é possível, de quem nunca desistiu. Tinha tudo e perdeu muito mas lutou sempre. Esta modalidade é uma espécie de catarse na sua vida, acho que não estou enganada! 

Merece a minha vénia e o meu reconhecimento. Não perdeu o foco, não perdeu a alegria, não perdeu a vontade de viver. E podia ter perdido. Conto pelos dedos das mãos as pessoas que reagem desta forma, às chatices da vida. 

Grande André. Agora, leiam e acompanhem-no aqui

 

O meu nome é André Venda e tenho 30 anos.

Sempre me considerei uma pessoa proactiva e cheia de energia para gastar e, por isso, desde cedo procurei ingressar diversas modalidades desportivas: experimentei basquetebol, voleibol, ténis, ténis de mesa mas foi no Downhill que descobri a minha vocação.

Um acidente de viação aos 20 anos tornou-me paraplégico: este percalço fez com que deixasse de conseguir praticar Downhill, a modalidade onde já competia em provas nacionais.

Parar não era opção para mim: procurei arranjar outras alternativas desportivas e descobri o Handcycling. Todo o empenho e treino fizeram com que rapidamente chegasse ao pódio, quer a nível nacional quer internacional.

Foi em 2010 que comecei a competir em Handcycling: arrecadei 6 primeiros lugares a nível Nacional (no Campeonato Nacional de Contrarrelógio, nos Campeonatos Nacionais de Pista, na Taça de Portugal de Albergaria, no Campeonato Nacional de Paraciclismo de Torres Vedras, no Grande prémio de Gondomar e no Grande prémio de Viana do Castelo) e o 20º lugar na UCI World Cup Para-Cycling Road na Segóvia (Espanha);

Em 2011, voltei a trazer para casa o primeiro lugar no Campeonato Nacional de Contrarrelógio, no Grande Prémio de Gondomar e no Grande Prémio de Viana do Castelo e competi pela segunda vez ma UCI World Cup Para-Cycling Road na Segóvia (Espanha), tendo subido para a 17ª posição.

Voltei a conquistar o primeiro lugar no Campeonato Nacional de Contrarrelógio em 2012, bem como nos Campeonatos Nacionais de Pista, na Taça de Portugal Albergaria, no Campeonato Nacional de Paraciclismo de Torres Vedras e no Grande Prémio de Viana do Castelo. A minha prestação na cidade espanhola, manteve-se igual à do ano anterior: 17º lugar.

O ano de 2013 ficou marcado pelo meu desejo de progredir mais nos campeonatos internacionais: mantive o primeiro lugar em vários campeonatos Portugueses (Campeonato Nacional de Contrarrelógio, Campeonatos Nacionais de Pista, Taça de Portuga de Albergaria, Campeonato Nacional de Paraciclismo de Torres Vedras, Grande Prémio de Gondomar e Grande Prémio de Viana do Castelo), mas foi no estrangeiro que progredi bastante: conquistei o 6º lugar no I Gran Premio Handbike Ciudad Real, o 7º lugar na UCICUP 2013, o 5º lugar na II Certame Handbike Benicarló 2013, o 17º lugar na UCI World Cup Paracycling Road (Itália), o 15º lugar na UCI World Cup Paracycling Road (Segóvia, Espanha), o 3º lugar no Criterium Internacional Ciudad Sounds Real, o 5º lugar no Trofeo de Ciclismo Adaptado, o 5º lugar no IX Criterium Internacional, o 4º lugar no Handbike (Los Alcázares, Espanha) e o 4º lugar em Puerto Lumbreras 2013 (Espanha).

Ainda no início do ano de 2013, juntamente com um amigo fundei a APCA – Associação Portuguesa de Ciclismo Adaptado – que visa dar a conhecer e angariar mais adeptos do Ciclismo Adaptado, promovendo eventos desportivos, efetivando palestras para novos atletas e/ou todos os interessados, assim como foi criado um departamento que tem como principal objetivo estimular os atletas de alta competição para a participação em provas internacionais e de renome.

Em 2014 voltei a competir nos mesmos campeonatos portugueses em que participei no ano anterior conquistando o primeiro lugar em todos eles. Além-fronteiras posicionei-me no 12º lugar na European Handcycling Federation UCI (Castelldefels, Barcelona), o 5º lugar no Biskako Bira 2014, o 6º lugar no Crono Biskaiko Bira 2014, o 22º lugar na UCI World Cup Paracycling Road (Itália) e o 24º lugar na UCI World Cup Paracycling Road de Segóvia (Espanha).

Em 2015 venci o primeiro lugar no Campeonato Nacional de Viana do Castelo, na Taça de Portugal de Albergaria, no Campeonato de Contrarrelógio de Setúbal, o Grande Prémio de Torres Novas e o Grande Prémio de Gondomar.

Em campeonatos internacionais, fiquei em 14º lugar na UCI World Cup Paracycling Road, em 13º lugar na Verola Paracycling Cup (Itália), 11º lugar na Paracycling Cup Brescia (Itália), 4º lugar no Biskako Bira e o 5º lugar no Crono Biskaiko Bira.

Como resultado do enorme esforço e dedicação ao desporto profissional no decorrer destes anos, sofri um considerável desgaste físico e como tal, fui aconselhado em 2016, por uma equipa médica, a dar por terminada a prática desportiva nos moldes definidos pela Alta Competição. Apesar de adorar praticar Handcycling, descobri recentemente a possibilidade de voltar a praticar o Downhill, desporto este que já praticava antes do meu acidente, mas desta vez adaptado à minha atual condição física. Foi com esta nova realidade que surgiu o meu interesse em desenvolver esta modalidade adaptada que desperta no nosso país. Neste âmbito encontro-me a desenvolver um projeto desportivo de Downhill Adaptado pioneiro em Portugal.

O que o desporto significa para mim?

Posso dizer que quando estou a praticar desporto sinto-me verdadeiramente livre e feliz, é algo que me faz bem tanto física como psicologicamente, pois nesses momentos sinto-me desconectado da cadeira de rodas…como se não precisasse dela realmente a tempo inteiro.

Desafio vos a passar um dia comigo para perceber melhor o que sinto 😊

Galeria

A transformação digital

A transformação digital tem recebido a melhor (e maior) das minhas atenções no último ano, ao ponto de a colocar no centro do meu projecto de doutoramento (mas isso é uma conversa para depois, beeem depois).

Em Outubro tive o imenso orgulho de moderar um debate da Quidgest, a propósito do Q-day, sob o tema “O ano da Transformação Digital“. No painel  “O elemento humano e a educação na Transformação Digital” participaram Miguel Carvalho e Melo, vice-presidente da Associação Portuguesa de Gestão de Projectos (Apogep); Jorge Carvalho, docente do Instituto de Educação Técnica (Inete); Octávio Oliveira, diretor-geral do Centro de Formação Profissional da Indústria Electrónica, Energia, Telecomunicações e Tecnologias da Informação (Cinel), e ex-secretário de Estado do Emprego; Hugo Lourenço, diretor-geral da Agile 21; e Hugo Miguel Ribeiro, coordenador da área de recursos humanos da Quidgest.

Um momento de reflexão muito interessante sobre o futuro e do que já está a acontecer. Depois surgiu oportunidade de falar sobre isso para a revista Quidnews e aqui está o resultado. Acredito profundamente que as pessoas estão no centro de todos os processos e no futuro isso não será uma excepção.

Para ler melhor e toda a publicação passem por aqui https://www.quidgest.pt/q_QuidNews.asp?LT=PTG.

Vale muito a pena.